jump to navigation

SP-Arte para principiantes maio 10, 2012

Posted by Jan Balanco in Artes Visuais.
Tags: , , , , , , , , , , , , , ,
trackback

 

Visão aérea da SP-Arte 2011

Começou ontem e vai até o próximo domingo, 12 de maio, a edição 2012 da mais importante feira de arte brasileira, a SP-Arte. A feira acontece no prédio da Bienal, no Parque do Ibirapuera em São Paulo, e tem como expositores as mais importantes galerias do país. Em verdade, tomando por base a edição do ano passado, quase todas as galerias presentes são da cidade de São Paulo, algumas do Rio de Janeiro, uma de Salvador, uma do Recife, e não me recordo se outros estados se fizeram presentes com estandes.

Como qualquer feira comum, o foco da SP-Arte é criar um espaço temporário especial para que empresários de determinado ramo possam apresentar seus produtos ao seu mercado específico. Neste caso, os empresários são os galeristas, os produtos são as obras de arte expostas, e o mercado é o chamado mercado de arte.

Detalhe dos estande da SP-Arte 2011

Um dos mais aguardados momentos do calendário das artes visuais no Brasil, talvez apenas superado pela Bienal de Arte de São Paulo, a SP-Arte é uma visita indispensável a qualquer interessado por arte contemporânea, seja ou não colecionador. Se a sua importância é quase sempre medida pelo ponto de vista da economia da cultura à partir do volume de negócios que movimenta, sendo o principal termômetro do mercado, chamo atenção para outro aspecto, mais interessante.

A SP-Arte é a principal oportunidade para conferir o que de melhor está acontecendo na arte contemporânea brasileira. Afinal são os melhores galeristas apresentando as melhores obras de seus melhores artistas. Nessa intenção de apresentar a atual arte nacional, o panorama trazido pela feira em minha opinião supera o da Bienal (pois nesta a arte brasileira e estrangeira divide espaços) e o do Panorama da Arte Brasileira (pois é menor em dimensão e limitado por recortes curatoriais temáticos). Não quero com isso afirmar que a SP-Arte é um retrato fiel do campo das artes visuais no Brasil. Ela é um retrato da arte bem posicionada no mercado. Mas arrisco dizer que parte significativa dos melhores artistas dessa linguagem está aqui representada.

Galeria Choque Cultural na SP-Arte 2011

Visitar a SP-Arte é como visitar uma exposição de arte contemporânea do mais alto nível, digna de figurar nas salas de qualquer uma das mais prestigiadas instituições culturais do país. Das pinturas de Adriana Varejão, à fotografia de Claudio Edinger, ao graffiti de Titi Freak ou à escultura de Frans Krajcberg, provavelmente tudo estará lá. Além de dificilmente encontrar obras desses artistas expostas em museus e galerias públicas, que não possuem dinâmica burocrática e financeira para acompanhar o cenário artístico na velocidade necessária, apreciar essas obras em suas galerias de origem também é muito difícil. Conheço mais de duas dezenas de galerias da cidade de São Paulo, e posso afirmar com certeza que visitá-las não costuma ser dos melhores passeios, podendo até mesmo se constituir algumas vezes em situações desagradáveis. Em sua absoluta maioria as galerias de arte não se compreendem enquanto equipamento cultural, cujo acesso a todo tipo de público deveria ser incentivado para formação de seu público. São administradas como lojas de luxo que não gostam de abrir suas portas a visitantes de ocasião. As exceções existem, como a minha preferida Choque Cultural, a querida Paulo Darzé e a jovem Zipper, mas sem dúvida são casos raros. Com estandes abertos na feira, por mais que certos galeristas torçam os narizes para você, não há nada que possam fazer além de cara feia – e quem tem medo de careta?

Recomendo muitíssimo a visita à SP-Arte. É um evento de qualidade tal que vale uma viagem interestadual para comparecer. A feira cobra ingressos de R$ 30 por pessoa, que considero caríssimos para um projeto patrocinado com dinheiro público via Lei Rouanet. Como comparação, o museu mais caro de São Paulo, o MASP – que cobra mais que o dobro dos outros museus da cidade – tem ingressos a R$ 15, e o Louvre, em Paris a aproximadamente R$ 26 (€10). Porém neste ano uma dica fundamental para economizar é que ao adquirir ingressos do MIS-SP ou MAM-SP você ganha um convite para a feira. O ingresso do MIS custa R$ 5, e o do MAM está gratuito atualmente. Ou seja, antes de ir à feira bastar fazer uma visita ao MAM (que fica no prédio vizinho) e solicitar um convite na recepção.

Comentários»

No comments yet — be the first.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: